Relógio
Livro de Visitas
Por favor!. Pique no link abaixo e deixe o seu comentário.
Precisamos da sua ajuda para melhorar os nossos temas.
Obrigado pela sua visita!.
Volte Sempre!.
CONTADOR DE VISITAS
web counter free
Visitantes
Pode ler todos os temas mas, se tenciona escrever neste Fórum, terá que efectuar o registro gratuitamente.
Se gosta de conviver,contar as suas histórias,
escrever as suas crónicas,mostrar as suas fotografias,
ensinar quem precisa,aprender com outras pessoas,
passar o seu tempo livre em boa companhia,
este é o local certo.
Ficamos à espera da sua decisão.
 Administrador
 Stheffa
Últimos assuntos
» REFLEXÕES - CALORIAS
Qua Jan 18, 2012 7:34 pm por amilcar34

» ARVORES QUE NÃO PLANTAMOS
Sex Dez 23, 2011 5:47 pm por amilcar34

» O CALDO VERDE EVITA O CANCRO
Qua Nov 23, 2011 12:45 pm por amilcar34

» Caminheiro
Qui Nov 03, 2011 7:48 pm por lucy19358

» VÁRIAS RECEITAS DE BACALHAU
Dom Out 30, 2011 3:57 pm por Manuel Joaquim Pires

» Versos "SPORTING"
Dom Out 30, 2011 10:18 am por Stheffa

» CARROS ESTACIONADOS AO SOL
Sex Out 28, 2011 9:22 pm por Manuel Joaquim Pires

» O sino da minha freguesia
Qui Out 27, 2011 6:18 pm por lucy19358

» A NOVA CONTRATAÇÃO DO SPORTING 2011/2012
Qua Out 26, 2011 8:43 pm por Stheffa

» A teimosia da névoa
Ter Out 25, 2011 9:52 am por lucy19358

» O ARROZ BRANCO E NEGRO
Seg Out 24, 2011 5:27 pm por jmanacleto

» PARALISIA INFANTIL
Seg Out 24, 2011 11:46 am por madley29

» PRAIA DAS MAÇÃS
Sex Out 21, 2011 9:48 pm por Ana Maria

» CONHEÇAM " A MOLLY "
Sex Out 21, 2011 11:01 am por Stheffa

» Recordando tempos de menino
Qua Out 19, 2011 8:41 pm por Stheffa

» TUDO O QUE VICIA COMEÇA COM "C"
Qua Out 19, 2011 6:38 pm por amilcar34

» PLANETA FEITO DE DIAMANTES
Seg Out 17, 2011 11:20 am por José Rama

» TIO SAM SÍMBOLO NOS E.U.A.
Seg Out 17, 2011 10:54 am por jmanacleto

» Fado "Com ternura e muito amor"
Dom Out 16, 2011 9:32 pm por Stheffa

» JÁ LÁ VEM A ALVORADA
Dom Out 16, 2011 6:23 pm por lucy19358

» A Oliveira, as Azeitonas e o Azeite
Qua Out 12, 2011 10:17 pm por Stheffa

» ESTÁDIOS PARA CATAR 2022
Qua Out 12, 2011 3:52 pm por Stheffa

» JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO
Seg Out 10, 2011 9:56 pm por amilcar34

» SANTIAGO DO ESCOURAL
Seg Out 10, 2011 8:06 pm por Stheffa

» Mãe natureza
Seg Out 10, 2011 5:31 pm por lucy19358

» O Pâncreas
Seg Out 10, 2011 3:51 pm por madley29

» Steven Paul Jobs
Seg Out 10, 2011 3:07 pm por Stheffa

» Aventuras do Sthefary
Dom Out 09, 2011 4:19 pm por Stheffa

» As Irmãs Lucília e Lúcia Neves
Dom Out 09, 2011 4:04 pm por Stheffa

» Os meus versos de menino
Sab Out 08, 2011 8:39 pm por Stheffa

» Acordeonista
Sab Out 08, 2011 10:51 am por Stheffa

» Queda de Rochas nas Praias
Qui Out 06, 2011 9:44 pm por Ana Maria

» O Medronheiro
Qui Out 06, 2011 8:52 pm por José Rama

» Recordando Amália Rodrigues
Qui Out 06, 2011 5:15 pm por madley29

» Lev Yachine
Qui Out 06, 2011 4:39 pm por jmanacleto

» Rosa dos Ventos
Qua Out 05, 2011 9:52 pm por Stheffa

» Marinheiro
Ter Out 04, 2011 6:23 pm por Stheffa

» CONSELHOS ÚTEIS
Seg Out 03, 2011 7:44 am por John Cesarine

» BOA DIETA FRANCESA
Seg Set 26, 2011 8:59 pm por amilcar34

» FRUTAS NA SAUDE CONFORME TABELA!!!
Dom Set 25, 2011 5:21 pm por amilcar34

» INTERPRETANDO A POESIA DE CAMÕES
Qui Set 08, 2011 9:14 pm por amilcar34

» Sporting Clube dos Sportinguistas
Sex Set 02, 2011 4:01 pm por Stheffa

» O meu pequeno jardim
Ter Ago 30, 2011 5:06 pm por lucy19358

» A Ilha da Culatra
Seg Ago 22, 2011 7:43 am por Stheffa

» VALORIZAÇÃO DAS FRUTAS
Qui Ago 18, 2011 8:26 pm por amilcar34

» Televisão Digital Terrestre
Seg Ago 15, 2011 8:31 am por Stheffa

» PARA REFLETIR
Sab Ago 06, 2011 5:25 pm por amilcar34

» O QUE É EXPERIÊNCIA???...INTERESSANTE
Sab Jul 23, 2011 5:40 pm por amilcar34

» PARA RIR A BOM RIR...
Sab Jul 23, 2011 5:20 pm por amilcar34

» HOMENS SEGUNDO FERNANDA MONTENEGRO
Sex Jul 15, 2011 7:41 pm por amilcar34

Fotos de Portugal
Amilcar34

História – Alvor e o grande rei D João II, o príncipe perfeito

Ir em baixo

História – Alvor e o grande rei D João II, o príncipe perfeito

Mensagem  Convidad em Dom Jan 30, 2011 11:31 am

Em visita recente à pitoresca e turística freguesia de Alvor, no concelho de Portimão,
apreciei, com satisfação, à entrada da antiga vila, um singelo monumento constituído por uma placa em mármore branco, enquadrada por um pórtico, e ostentando um baixo relevo da figura do grande rei que foi D. João II, o príncipe perfeito.
Esta evocação homenageando o obreiro da épica viagem de Vasco da Gama à Índia está, precisamente, em frente da rotunda que tem o nome do antigo alcaide-mor da vila no século XV, D. Álvaro de Ataíde, vassalo de D. João II, e em cuja casa morreu o monarca.
Recordei a desdita deste grande rei português.
Durante o seu reinado, influenciado pelo seu tio-avô, o Infante D. Henrique (o navegador), rodeou-se de homens de saber em matemática, trigonometria, astronomia e navegação oceânica no mar que, à época, já era conhecido dos mareantes portugueses ao longo da costa Ocidental de África, preparando, assim, os navegadores que iriam descobrir o caminho marítimo para a Índia. Com esses novos saberes teóricos e práticos, baseados, também, no conhecimento e prática adquirida por anteriores navegadores portugueses da escola de Sagres, iniciou-se a preparação técnica dos futuros nautas lusos -- capitães e pilotos -- que iriam conduzir as naus portuguesas até à Índia.
Ordenou que, ao mesmo tempo da preparação das tripulações, os estaleiros reais iniciassem a construção dos navios que constituiriam a armada descobridora. O próprio rei visitava frequentemente os estaleiros na Ribeira das Naus e apreciava a progressão na construção e a qualidade dos navios que aí nasciam.
Procurou o sábio rei obter mais informação técnica/estratégica sobre o Oriente, a demandar por mar pelos intrépidos portugueses, que fosse útil ao empreendimento. Para tal, enviou dois agentes secretos, que falavam fluentemente árabe, disfarçados de mercadores mouros, a procurar na Índia e na Costa Oriental de África, essas informações e, quiçá, apoios.
Partiram de Lisboa com essa missão, por via terrestre até Áden, junto ao Mar Arábico (Índico), Pêro da Covilhã e Afonso Paiva; o primeiro tendo como destino o continente indiano, o segundo o reino cristão de Preste João na África Oriental (actual Etiópia). Dizia-se, então, haver um reino cristão nessas paragens o que para D. João II constituiria poderoso aliado em região dominada pelo crescente Islão.
Pêro da Covilhã enviou para Portugal, através de emissários também disfarçados de mercadores e que viajaram até ao Cairo por ordem de El Rei, informação valiosa, que recolheu localmente nas suas deambulações, sobre as navegações árabes no Índico com indicações de ventos, monções e correntes marítimas naquele oceano. Estas informações seriam muito úteis aos navegadores portugueses quando navegassem no Indico na sua primeira viagem à Índia.
De Afonso Paiva, em demanda do rei cristão de Preste João, mais nada se soube, presumindo-se que este valoroso português talvez tenha sido vitimado por doenças endémicas das regiões que visitou.
Entretanto, a vida na corte em Lisboa decorria de uma maneira aprazível para o rei. A sua amante, Ana de Mendonça, inebriava nos seus braços sua majestade. Desses amores, fora do casamento, nasceu um bastardo, o Infante D. Jorge.
A rainha, D. Isabel de Bragança, roída de ciúmes pelos devaneios amorosos do real esposo, congeminou uma terrível vingança. Destruir aquele idílio e, para tal, não foi de meias medidas; a sua vingança constituía matar dissimuladamente (envenenar, método muito em voga na época em outras cortes europeias -- Itália) o esposo sem levantar suspeitas e, depois, enclausurar num convento a amante de D. João II.
Prosseguiam a bom ritmo e para glória de Portugal, os planos dos preparativos da grande viagem marítima implementados por D. João II e que começavam a dar os seus frutos. Bartolomeu Dias, bem secundado pelo seu piloto Pedro de Alenquer, tinha conseguido ir mais longe que o malogrado Diogo Cão na direcção Sul da costa ocidental de África. Dobrara o Cabo das Tormentas – o Adamastor de Camões e Pessoa --, baptizado, mais tarde, de Cabo da Boa Esperança, deixando a “porta” do Índico aberta para Vasco da Gama.
Na corte, a diabólica rainha D. Leonor, dera início, sub-repticiamente, ao longo e doloroso martírio do esposo – o seu envenenamento. Para não levantar suspeitas, ministrava, ela própria, a aplicação nos alimentos D. João II de doses muito diminutas de arsénico branco, veneno letal, e, obviamente, às ocultas de fidalgos e servos.
A saúde do monarca piorava de dia para dia, não descobrindo o seu médico pessoal a causa de tal mal físico. Sangrias, chás medicinais, e outras medicamentações da época não faziam regredir a doença que prostrava o rei.
Perante o estado preocupante da saúde de D. João II, desesperavam os seus leais vassalos; alguém da corte alvitrou um tratamento nas águas milagrosas de umas termas no Sul de Portugal, na serra de Monchique -- Caldas de Monchique, a poucos quilómetros de Portimão e de Alvor.
Depois de penosa viagem de Lisboa para o Algarve, fez o debilitado rei os tratamentos termais aconselhados sem os mesmos terem produzido bons resultados, pois o veneno ingerido ao longo de muito tempo estava prestes a cumprir a sua trágica finalidade – a morte do monarca.
Do cavaleiro garboso que fora nos tempos em que acompanhou o seu pai, o rei D. Afonso V (o africano), na conquista de Arzila, e em outras gestas e montarias, restava, agora, um corpo alquebrado e destruído pela doença (veneno).
Morreu, finalmente, depois de atroz sofrimento, em Alvor, perto do mar e de Sagres aonde o seu tio-avô D. Henrique (o navegador) iniciara a saga dos descobrimentos marítimos portugueses que ele, D. João II, tanto procurara expandir para glória de Portugal. Não chegou a ver o êxito da bem sucedida viagem de Vasco da Gama à India que ele meticulosamente preparara. Essa glória foi para D. Manuel I, seu primo, que o sucedeu no trono.
Diz a lenda que, algumas horas antes de morrer, D. João II perguntou qual era o estado da maré na ria de Alvor. Disseram-lhe que a maré estava a subir (encher). Então, quando a maré atingiu a preia-mar, o monarca expirou!
Terminou assim, ingloriamente, a vida de um grande português vítima da estupidez/malvadez de uma esposa que não mereceu tal esposo.


Nota:
Abaixo, duas fotografias --
Uma delas é a vista panorâmica do “mar de Alvor” – baía de Lagos – que no Verão, actualmente, delicia tantos visitantes sequiosos por praia.
A outra, é uma vista parcial da ria aonde, na baixa-mar, se pode apanhar amêijoas, berbigões, ostras, lingueirões, etc.; e, na preia-mar, além da pesca desportiva de robalos, douradas, tainhas e linguados, pode-se navegar à vela ou a motor, praticar "kite-surf" e outras actividades marítimas.
Ao fundo desta vista parcial da ria, vê-se, debruçada sobre as suas águas, a casa senhorial da Quinta da Rocha que, até meados do século XX , pertenceu ao ilustre portimonense visconde de Bívar.
A longa restinga, cordão dunar que termina na barra de Alvor, separa o oceano da ria (zona lagunar interior); é larga e proporciona um agradável passeio aos amantes da natureza. Tem muita vegetação espontânea aonde se pode observar, entre outras espécies vegetais: o “cordeirinho-das-praias”, a “ganza-do-areal”, o “cardo-roidor”, “arbustos” e “lírios do campo”.
A avifauna também é diversificada; aí se pode ver aves como a “chireta”, o “pica-areia”, a “gaivota-do-mar”, o “corvo-marinho”, o “maçarico-real”, a “garça-ribeirinha” a “garça-real”, etc.
No outro lado da ria, num sapal a Norte, também aparecem, ocasionalmente, “flamingos”.



Ao fundo a cidade de Lagos e a sua Baía



Ao fundo a Ria de Alvor

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum